Review: Call Me By Your Name (2017)

31-call-me-by-your-name.w710.h473

Finalmente consegui ver Call Me By Your Name, filme baseado no livro de mesmo nome (autor André Aciman, 2007) dirigido pelo excelente Luca Guadagnino.

Sinopse: Situado no Norte da Itália em 1983, Elio, de 17 anos, inicia um relacionamento com Oliver, assistente de pesquisas de seu pai, com quem se conecta sexualmente e intelectualmente.

Recomendo porque: Detalhista, Guadagnino não tem pressa em contar a história do primeiro amor e o faz com tamanha sensibilidade, intensidade e sensualidade raramente vistos no cinema. Aliás, é um dos filmes mais sensuais que já vi e o diretor abriu mão de cenas mais explícitas e nudez frontal, gerando até algumas curiosas reações negativas. O elenco está sensacional. Timothée Chalamet está excepcional e não ficarei surpreso se vê-lo ganhando o Oscar 2018 de melhor ator (mais sobre isso em futuros posts). Armie Hammer, que confesso, tinha minhas reservas quanto à sua escolha para o papel, está ótimo, assim como Michael Stuhlbarg, como o pai de Elio, que com seu discurso (indispensável) no final do filme, pode também sair com a estatueta dourada. Soma-se ainda uma linda trilha sonora composta por Sufjan Stevens.

Poderia ser melhor se: Impossível.

Veredito: Obra – prima obrigatória.

Avaliação: 10