Yay or Nay: Filmes

1- Crazy Rich Asians

38437795_296692067574884_1931258750753046528_n

Comédia romantica baseada no bestseller de mesmo nome, conta a história da novaiorquina Rachel Chu (Constance Wu, da série Fresh Off the Boat)  que vai para Singapura conhecer a família de seu namorado Nick Young (Henry Golding, em sua estréia como ator) e acaba descobrindo que seu amado pertence à uma das famílias mais ricas da Ásia. Mesmo com esse fiapo de história, o filme até consegue, de maneira satisfatória, mostrar a forma como o dinheiro pode afetar o relacionamento de um casal. Porém é muito mais bem sucedido no desenvolvimento do relacionamento entre a jovem e sua futura sogra, que com ótimas atuações de Wu e Michelle Yeoh, apresenta uma das melhores dinâmicas entre personagens vistos recentemente no cinema. Completam o elenco Gemma Chan (da série Humans) e Awkwafina (Ocean’s Eight), que mesmo tendo alguns momentos, achei um pouco forçada. Avaliação: 7

Veredito: YAY – Apesar da história simples, é uma comédia inspirada, bem atuada, divertida e, não menos importante, uma vitória para a diversidade no cinema.

2- First Reformed (2017)

v1.bjsxOTQxMDIzO2o7MTc4NDI7MTIwMDsxNDQwOzEwODA

O filme conta a história de Ernst Toller (Ethan Hawke, excelente) , um padre de uma igreja pequena no estado de Nova York, que, ainda atormentado pelo seu passado trágico, tem sua fé testada após uma jovem gravida (Amanda Seyfried) pedir que ele aconselhe seu marido, um ecologista radical, que está passando por uma crise emocional. Tratando de temas como religião, fé e política, o diretor faz um retrato fascinante e desconfortável de um homem à beira de um colapso espiritual. Dirigido por Paul Schrader, roteirista de Taxi Driver (1976) e diretor de American Gigolô (1980), trata-se de uma volta à forma do diretor após ter feito o infame The Canyons (2013), com Lindsay Lohan. Avaliação: 9

Veredito: YAY – Poderoso, sensível e por vezes chocante, além de Hawke em grande desempenho, trata-se de um filme extraordinário, sem dúvida um dos melhores que vi esse ano. Obrigatório.

3- The Nun (2018)

the_nun_1

Um padre e uma jovem prestes a fazer os votos são enviados pelo Vaticano para investigar a morte de uma jovem freira na Romênia e acabam confrontando uma força malígna na forma de uma freira demoníaca. Após ser apresentada no ótimo The Conjuring 2 (2016), obviamente que a vilã ganharia um filme solo e foi o que aconteceu. E, apesar de sua figura ser realmente assustadora, o que foi bem aproveitado no filme de 2016, tudo indicava que mais um filme sobre a origem do vilão (vide a bobagem Annabelle (2014)) não seria uma boa ideia. Com um roteiro fraquíssimo, o filme é um aglomerado de clichês repleto de decisões e cenas duvidosas. A talentosa Taissa Formiga sai ilesa. Avaliação: 2

Veredito: NAY – Uma bobagem que nem precisava dos (excessivos) alívios cômicos, quando as cenas que deveriam dar medo acabam causando incontáveis risos involuntários. Fuja!

4- The Death of Stalin (2018) 

90

O filme segue os últimos dias do ditador Stalin e o caos que se instala após sua morte em 1953, numa disputa pela sucessão do poder na antiga União Soviética. Dirigido e co-roteirizado pelo criador de uma das melhores séries no ar, Veep (2012- )The Death of Stalin é uma sátira política hilária e assustadoramente atual sobre poder, ou melhor, abuso do poder. Apesar de ser uma obra de ficção, o filme faz referencia a vários fatos históricos da época. Com um elenco impecável, The Death of Stalin pode não ser perfeito mas chega bem perto. Avaliação: 8

Veredito: YAY – Inteligente, afiadíssimo e hilário, um dos melhores e mais engraçados filmes que já vi. Imperdível